8º Congresso da Força Sindical aprova diversas bandeiras de luta para os próximos quatro anos

    Nos dias 12, 13 e 14 de junho, cerca de 3.000 delegados de todo o Brasil, além de representantes sindicais de dezenas de países, estiveram reunidos na cidade de Praia Grande durante o 8º Congresso da central Força Sindical para debater e deliberar sobre uma extensa pauta de propostas elaboradas pelos trabalhadores para os próximos quatro anos. Inclusive um plano de luta para fazer frente à ofensiva do governo contra os direitos sociais e trabalhistas.

    Tendo por tema “Direitos, Cidadania, Empregos e Aposentadoria digna para todos”, o congresso priorizou uma extensa pauta as reivindicações sempre na perspectiva de assegurara direitos e avançar rumo a novas conquistas.

    O congresso elegeu a chapa única apresentada por Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, que foi reeleito presidente para o próximo mandato de quatro anos à frente da central. Ademais, ficou acertado que dia 20/06 haverá mobilização sindical a nível de Brasil e as centrais vão se reunir para definir o que será feito dia 30/6, referente a uma nova greve geral.

    Entre as resoluções aprovadas no congresso da central consta a determinação de cota de 30% de mulheres para cargos da diretoria da entidade e de 50% para o próximo congresso.


    Além disso, os delegados reunidos aprovaram diversas moções referentes a uma serie de temas importantes, com destaque para o apoio ao Paulinho frente às perseguições políticas que ele vem sofrendo.

    Por fim, foi ainda aprovado documento intitulado “Carta da Praia Grande” no qual ficou estabelecido que a central sindical, conjuntamente com as entidades afiliadas, estará na linha de frente das lutas, unindo-se as forças progressistas nacionais na construção de uma sociedade desenvolvida, distributivista e socialmente justa, com a valorização do trabalho e do trabalhador e não o oposto.


    Segundo o presidente do nosso sindicato, o companheiro Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, que também integra a direção da central,“foram três dias de grandes discussões, e que não poderia ser diferente, frente a uma conjuntura desfavorável para quem trabalha. E a Força Sindical que representa hoje milhões de trabalhadores pelo Brasil possui o compromisso de se opor a essa retirada de direitos, assim como propor saídas para resolver os impasses que se apresentam ao país”.

    Get Social

    • Grey Facebook Icon
    • Grey Twitter Icon
    • Grey LinkedIn Icon
    • Grey YouTube Icon

    © 2019 - Metalúrgicos de São Caetano do Sul